Sunday, December 28, 2008

E ja me disseram que a minha amiga Luz ta linda...............


Se celebró con todo el glamour Fiesta Forera en Paris de este Diario, con mas 70 asistentes




Se celebro con gran glamour y por todo lo alto la Famosa Fiesta Forer@ en Paris el sabado 20 de Diciembre, con un éxito sin precedente y participantes de muchos países.



Por Brigitte Gambini*-.




A partir del viernes 19 de diciembre, los Aeropuertos Parisinos vieron desfilar muchas figuras foreras que se rendían a la Ciudad Luz con el motivo de asistir a la 4º Kedada Forera de los Foros del Diario Digital Transexual.
Entre las figuras pudimos destacar la llegada de Carla Antonelli; no paso inadvertida por quienes la observaron mientras desaparecía del Aeropuerto de Orly.
Toda la comitiva Española encabezada por Nancy y el responsable de Comunicación de los foros, Jean Claude, se unieron a Raquel y su amiga Paul, Manoli, Patrizia la encantadora Marta Salvans acompañada por Gloria y Cristina y Kamy. Marta se desplazo con toda su maravillosa familia por pocas horas en la Ciudad Luz pero aun así no ha querido faltar a la cita anual de los Foros de Carla Antonelli.
La majestuosa fiesta fue organizada por Kouka Garcia, activista Transexual Franco Argentina, y presidenta de la Asociación PariT.
La misma comienza a las 21 hs en el coqueto restaurante "la Petit Vetu", donde se encontraban más de 70 personas, que no quisieron perderse ni un minuto del llamativo Homenaje que hicieron a la carrera de Antonelli y a su lucha sin igual por los derechos de l@s Transexuales de muchos Países. Dicho homenaje llego a su punto cuando Ingrid Villafañe, destaca la carrera de Carla; y Kouka Garcia, presidenta de PariT, emocionada, hasta las lagrimas, ofrece el premio Silvia Rivera a la destacada lucha de la Activista Española.
Lucero Cristal, icono incontestable de las noches Parisinas y la Vedette Mirna actuaron en la fiesta con gran éxito y derroche de fantasía y glamour.
Muchas personalidades del tout Paris también se dieron cita en esta mega Fiesta entre ellas las embajadoras trans de la política francesa Pascale Ourbih del Partido des Verts, y Camille Barre del Partido Comunista.
También pudimos observar entre los asistentes las militantes por los derechos trans Fanny, Karla, Marina, la activista Portuguesa Jo Bernardo junto a Claude Anjos Cruz, Crihs Valle y Lionel Corchia.
Luisa Montalvan y Carla Lovatti voyante des Stars a Paris, iluminaron la Kedada Forera!
Agradecimientos a tod@s en especial a Kouka García, presidenta de Parit t,a la decoradora uruguaya Cecilia Montero encargada de la decoración, a cada un@ de vosotras por haber estado iluminando con vuestra presencia tan emocionante acto y os digo hasta la próxima
Brigitte Gambini corresponsal del Diario Digital Transexual en Paris

Pope Benedict XVI Wants to Save Humanity From Homosexuality


Pope Benedict XVI has likened saving humanity from the ravages of gays and transsexuals to saving the rain forests from the ravages of man. “(The Church) should also protect man from the destruction of himself. A sort of ecology of man is needed,” the pontiff said to the Vatican inner council known as the Curia. He believes that the rain forests deserve protection.

The Catholic Church teaches that homosexual acts are sinful, while not calling being homosexual sinful. However, the Church believes that homosexuality is “a deviation, an irregularity, a wound.”

This is actually a far cry from the ancient teachings of the Catholic Church. The Church use to put homosexuals to death if they so much as even looked passionately at someone of the same sex. In one town in Germany, the Catholic Church pursued, castrated, and then stoned to death two gay men back before the Reformation. Being homosexual was not only sinful, it was condemned. Among the victims of the Inquisition were homosexuals. They were tortured and executed along side any witches, Jews, Muslims, and heretics that the Church couldn’t “convert.” Typically, conversion involved dying horribly during torture or buying one’s way out.

This is, of course, a rather simplified account of the Inquisition. Of course, Pope Benedict use to be head of the remnants of the Inquisition.

It should be noted that the Catholic Church’s view of environmentalism was not always so broad either. Until recently, the Catholic Church all but encouraged the rampant decimation of the Earth’s natural resources.

The Catholic Church is returning to its hardline views on various issues in large part because of they feel that the modern world is threatening to them. Again. The Inquisition was a response to attempts to reform the Catholic Church by priests within its ranks. Instead of hearing out the reformers, the Church split. This lead to numerous religious wars as first England, then Germany and other nations broke from the Church to chart their own courses. Ultimately, these wars lead to the creation of the First Amendment of the Constitution of the United States which protected churches from government intrusion, and government from religious intrusion, and allowed all peoples to pray to which ever deity they chose.

The Catholic Church today is under fire from the Left by changing views in the developed world such as in Europe, the US, and Canada, and from the Right by hard line Evangelicals who are siphoning off believers. Many Latin Americans are drifting towards the Protestant religions because of their views on contraception and birth control, and many in Europe and North America are drifting away from the Church due to more modern views on religion. They are having a hard time recruiting new priests from the Western world due to the restrictions on priests.

However, rather than modernizing, the Catholic Church has decided to dig in their heels and try very, very hard to avoid dying out entirely despite the fact that they are slowly dying out.

Friday, December 26, 2008

Sex crimes and the Vatican

http://www.bbc.co.uk/newsa/n5ctrl/progs/06/panorama/nb/wm/video/01oct_nb.asx
Crimen Sollicitationis was written in 1962 in Latin and given to Catholic bishops worldwide who are ordered to keep it locked away in the church safe.
It instructs them how to deal with priests who solicit sex from the confessional. It also deals with "any obscene external act ... with youths of either sex."
It imposes an oath of secrecy on the child victim, the priest dealing with the allegation and any witnesses.
Breaking that oath means excommunication from the Catholic Church.
Reporting for Panorama, Colm O'Gorman finds seven priests with child abuse allegations made against them living in and around the Vatican City.
One of the priests, Father Joseph Henn, has been indicted on 13 molestation charges brought by a grand jury in the United States.
During filming for Sex Crimes and the Vatican, Colm finds Father Henn is fighting extradition orders from inside the headquarters of this religious order in the Vatican.
The Vatican has not compelled him to return to America to face the charges against him.
After filming, Father Henn lost his fight against extradition but fled the headquarters and is believed to be hiding in Italy while there is an international warrant for his arrest.
Colm O'Gorman was raped by a Catholic priest in the diocese of Ferns in County Wexford in Ireland when he was 14 years old.
Father Fortune was charged with 66 counts of sexual, indecent assault and another serious sexual offence relating to eight boys but he committed suicide on the eve of his trial.
Colm started an investigation with the BBC in March 2002 which led to the resignation of Dr Brendan Comiskey, the bishop leading the Ferns Diocese.
Colm then pushed for a government inquiry which led to the Ferns Report.
It was published in October 2005 and found: "A culture of secrecy and fear of scandal that led bishops to place the interests of the Catholic Church ahead of the safety of children."
The Catholic Church has 50 million children in its worldwide congregation and no universal child protection policy although in the UK there is the Catholic Office for the Protection of Children & Vulnerable Adults.
In some countries this means that the Crimen Sollicitationis is the only policy followed.
The Vatican has refused repeated requests from Panorama to respond to any of the cases shown in the film.
Panorama: Sex crimes and the Vatican was on BBC One on October 1 2006
.

Saturday, December 13, 2008




UN: General Assembly to Address Gender Identity


Statement Affirms Promise of Universal Declaration of Human Rights
(New York, December 11, 2008)
As the world celebrates the 60th anniversary of the Universal Declaration of Human Rights (UDHR), the UN General Assembly will hear a statement in mid-December endorsed by more than 50 countries across the globe calling for an end to rights abuses based on sexual orientation and gender identity. A coalition of international human rights organizations today urged all the world’s nations to support the statement in affirmation of the UDHR’s basic promise: that human rights apply to everyone.Nations on four continents are coordinating the statement, including: Argentina, Brazil, Croatia, France, Gabon, Japan, the Netherlands, and Norway. The reading of the statement will be the first time the General Assembly has formally addressed rights violations based on sexual orientation and gender identity.“In 1948 the world’s nations set forth the promise of human rights, but six decades later, the promise is unfulfilled for many,” said Linda Baumann of Namibia, a board member of Pan Africa ILGA, a coalition of over 60 African lesbian, gay, bisexual, and transgender (LGBT) groups. “The unprecedented African support for this statement sends a message that abuses against LGBT people are unacceptable anywhere, ever.”The statement is non-binding, and reaffirms existing protections for human rights in international law. It builds on a previous joint statement supported by 54 countries, which Norway delivered at the UN Human Rights Council in 2006.“Universal means universal, and there are no exceptions,” said Boris Dittrich of the Netherlands, advocacy director of Human Rights Watch’s lesbian, gay, bisexual, and transgender rights program. “The UN must speak forcefully against violence and prejudice, because there is no room for half measures where human rights are concerned.”The draft statement condemns violence, harassment, discrimination, exclusion, stigmatization, and prejudice based on sexual orientation and gender identity. It also condemns killings and executions, torture, arbitrary arrest, and deprivation of economic, social, and cultural rights on those grounds.“Today, dozens of countries still criminalize consensual homosexual conduct, laws that are often relics of colonial rule,” said Grace Poore of Malaysia, who works with the International Gay and Lesbian Human Rights Commission. “This statement shows a growing global consensus that such abusive laws have outlived their time.”The statement also builds on a long record of UN action to defend the rights of lesbian, gay, bisexual, and transgender people. In its 1994 decision in Toonen v. Australia, the UN Human Rights Committee – the body that interprets the International Covenant on Civil and Political Rights (ICCPR), one of the UN’s core human rights treaties – held that human rights law prohibits discrimination based on sexual orientation. Since then, the United Nations’ human rights mechanisms have condemned violations based on sexual orientation and gender identity, including killings, torture, rape, violence, disappearances, and discrimination in many areas of life. UN treaty bodies have called on states to end discrimination in law and policy.Other international bodies have also opposed violence and discrimination against LGBT people, including the Council of Europe and the European Union. In 2008, all 34 member countries of the Organization of American States unanimously approved a declaration affirming that human rights protections extend to sexual orientation and gender identity.“Latin American governments are helping lead the way as champions of equality and supporters of this statement,” said Gloria Careaga Perez of Mexico, co-secretary general of ILGA. “Today a global movement supports the rights of lesbian, gay, bisexual, and transgender people, and those voices will not be denied.”So far, 55 countries have signed onto the General Assembly statement, including: Andorra, Armenia, Australia, Bosnia and Herzegovina, Canada, Cape Verde, the Central African Republic, Chile, Ecuador, Georgia, Iceland, Israel, Japan, Liechtenstein, Mexico, Montenegro, New Zealand, San Marino, Serbia, Switzerland, the Former Yugoslav Republic of Macedonia, Uruguay, and Venezuela. All 27 member states of the European Union are also signatories.“It is a great achievement that this initiative has made it to the level of the General Assembly,” said Louis-Georges Tin of France, president of the International Committee for IDAHO (International Day against Homophobia), a network of activists and groups campaigning for decriminalization of homosexual conduct. “It shows our common struggles are successful and should be reinforced.”“This statement has found support from states and civil society in every region of the world,” said Kim Vance of Canada, co-director of ARC International. “In December a simple message will rise from the General Assembly: the Universal Declaration of Human Rights is truly universal.”The coalition of international human rights organizations that issued this statement include:Amnesty International; ARC International; Center for Women’s Global Leadership; COC Netherlands; Global Rights; Human Rights Watch; IDAHO Committee; International Gay and Lesbian Human Rights Commission (IGLHRC); International Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender and Intersex Association (ILGA); International Service for Human Rights; Pan Africa ILGA; and Public Service International.Copyright mediaforfreedom.com

THE PORTFOLIO PROJECT


"The Portfolio Project" é um projecto colectivo aberto à colaboração de todos quantos desejem ver o seu trabalho fotográfico analisado e acompanhado à distância por um fotógrafo profissional.
Numa área criativa onde o trabalho se pode revelar demasiado solitário, "o projecto portfolio" constitui-se como uma plataforma onde, através do pagamento anual de uma módica quantia, os participantes poderão usufruir da experiência de profissionais da fotografia e desenvolver projectos individuais e/ou colectivos que, após conclusão, serão gratuitamente publicados online, em galerias fotográficas individuais.
Se procura desenvolver um projecto ou ver o seu portfolio analisado, se procura visibilidade para o seu trabalho fotográfico ou se pretende construir uma galeria fotográfica online sob a supervisão de um fotógrafo profissional então o "Portfolio Project" é para si.

O "Portfolio Project" funciona como um espaço de interajuda online, coordenado por Susana Paiva, onde fazendo recurso das comunicações via internet - email e skype - os participantes recebem informações úteis para o desenvolvimento do seu trabalho fotográfico.Além de informação sistemática sobre eventos fotográficos, o projecto difunde por email obras de fotógrafos internacionais e constitui-se como um espaço onde, uma semana por mês, os aderentes podem ver as suas questões individuais respondidas e os seus projectos orientados.Cada aderente usufrui de espaço ilimitado online, para a publicação em galerias individuais, dos projectos desenvolvidos no âmbito do projecto portfolio. Os projectos poderão ser individuais ou colectivos e passam todos por um processo de acompanhamento e orientação pessoal.
A adesão ao projecto implica o pagamento de 150 euros anuais, pagos através de transferência bancária.Poderão candidatar-se ao projecto todos os fotógrafos amadores e profissionais desde que respeitem os procedimentos estipulados pelo seu coordenador.
O "Portfolio Project" inicia-se já no próximo mês de Janeiro e funcionará em domínio próprio com uma estrutura semelhante à que poderão encontrar no meu site <
http://www.susanapaiva.org>. Onde agora encontram as minhas galerias poderão no futuro ver as galerias de cada um dos aderentes.
A plataforma servirá também como montra dos trabalhos dos seus aderentes e será divulgada junto do número máximo de estruturas e agentes na área da fotografia de forma a visibilizar o trabalho publicado.

Diario de Barcelona - Sergio Vitorino

E então pensava chegar a uma cidade que já conhecia e ela troca-me as voltas. Pelo nível de repressão, muito superior ao do povo criativo que continua a chegar ilusionado a esta cidade pensando que tem um oásis e afinal é só para turista o oásis, e a realidade, se bem que oásis - Lisboa ao fundo - é sinal, e sente-se, de como a Europa - toda, cada vez mais toda - está difícil para o que quer que seja de política radical, e também cultura, imaginação, tudo o que seja espontâneo e humano. Ao mesmo tempo, torna-se mais desafiante, como quando me vejo a discutir com 15 mossos d'esquadra que insistem (fisicamente) que eu não tenho o direito de estar sentado no passeio de uma rua de barcelona, e eu a gritar-lhes não vos creio, não posso acreditar que haja lei que diga que não me posso sentar na rua, e eles a empurrarem-me, mas é como se me estivessem a mostrar a lei, porque o problema é que podiam mesmo mostrar-me a lei onde está escrito, porque está. E então entendo. O que resta de Barcelona e como estão a destruí-la, precisamente porque dela ainda resta potencial, e são pessoas e movidas, tantas, e são perseguidas, cada vez mais tanto. Amanhã vallcarca resiste à ordem de desalojamento do último de 5 ou 6 casas ocupadas que funcionavam como centros sociais e culturais do bairro. E no entanto parece que já temos de ir para casa - a lei só diz que não podemos ficar na rua, então só sobram sitios para quem pode pagar, conseguimos juntar quanto entre nós? - e de repente abre-se uma porta do raval, corre-se uma grade, e um colombiano (mto interessante) que estava connosco deixa de ser tímido e abre um sorriso e convida-nos a entrar em sua casa, e entramos surpresos e é uma festa, um espaço térreo, uma casita mas já foi um bar, com balcão e tudo, e dançamos, e rimos, e chegam mais e já somos uns quantos, e fazemos batucada e ainda aprendemos, os que queremos ou os que não bebemos demasiado ou os que estamos mais curiosos com o dono - ou simplesmente okupante - da "casa", alguma coisa sobre a colômbia, e sobre a barcelona que aluga armazéns de 2,30m como se fossem quartos ou mesmo casas (o preço sim), e que finalmente, para lá do mito de oásis que só ainda vai sendo porque ainda há o mito e porque ainda há gente que chega disposta a renová-lo, ainda que fora de tempo, alberga gente que vai fazendo oásis no meio da repressão europeia que é Barcelona, no meio da repressão de Barcelona que é toda ela Europa. E somos portugueses em Barcelona. E colombianos. E peruanos. E brasileiros, porque portugueses, e em Espanha isso equivale a desconfiança automática de sermos brasileiros, ou seja, de termos papéis falsos, e então não só nos sentimos discriminados como portugueses que somos como os brasileiros que não somos mas dos quais sentimos as dores e que por uma vez entendemos. E deixo de me dizer emigrante, porque um emigrante é uma pessoa sem documentos que foi ilegalizada por um Estado, e eu sou um privilegiado, e nem tive de crescer em Medellin, mas provavelmente se assim fosse seria melhor pessoa, ou mais centrado no que conta, veria de qualquer forma a vida de outros prismas, mais ou menos lúcidos, certamente mais crus, mais pragmáticos, menos pequena-burguesia (que é assim que se chama) europeia, aquela tão inconsequente que às vezes parece - e confunde-nos - quase radical, mas na verdade nada altera na relação de forças, porque é comprometida e dúbia, e não transforma. E entendo melhor como estamos mal na Europa que aí vem, não, que aqui está, mas também como não tenho nada de emigrante, porque um emigrante é uma pessoa sem papéis com o triplo da minha imaginação, e não é porque eu seja menos criativo. É que ainda não fui à Colômbia ter de sobreviver lá. Parece que os cartéis até são os bons da fita, e não é que sejam bons... mas sim, assim começamos a entender a complexidade do sítio onde caímos, e no entanto não é surpresa porque já éramos políticos antes, e limitamo-nos a continuarmos a sermo-nos nós mesmos e a tentar comunicar com isso que é tudo o que temos :), mas chega para sentirmos que estamos bem aqui e que os mossos são tontos, e que temos mais imaginação do que eles, e que Barcelona às vezes ainda é nossa, e sei que serei feliz aqui. E pronto, assim como quem não espera, estou no raval e conheço uma moça árabe chamada leila que é tradutora (de filmes porno), que me pergunta se não quero traduzir para ela, que toca clarinete e tem um piano e mora mesmo acima da minha rua (visca vallcarca, vallcarca, vallcarca!), e que tem um amigo que toca saxofone, e sabendo como já estamos todos comprometidos a pelo menos conhecermo-nos, e a facilidade com que nos conhecemos é a mesma com que o carro dos mossos desliza rua abaixo para ver se tem pretexto para estragar a noite a algum/a de nós. Mas hoje, não. :) sérgio (ontem, muito bêbedo, mas hoje isto parece-me estupidamente lúcido):)

Thursday, December 11, 2008



Transexual woman ran out of town


12:00a.m. 11th December 2008 / By Amy Remeikis

A transsexual has been forced to leave the Sunshine Coast after an alleged vicious attack in a public street left her afraid to walk outside.

Alice - not her real name - was born male but has identified as a female since she was five years old.

The 40-year-old has lived full-time as a woman since she turned 14 and has medical approval for a sex-change operation. However, she cannot afford the expensive surgery.

Alice, her 13-year-old daughter and her best friend have spent the past 18 months travelling around Australia. Once knowledge of her transsexual nature is known, she is chased from country towns.

The Sunshine Coast, she said, has been no different.

On Tuesday, Alice said, she and her daughter set out along Landsborough Parade in Golden Beach to buy groceries to prepare for dinner.

She alleges she was verbally and physically abused, then chased by a man as she walked by.

Alice said she appealed for help from those driving by and eventually a family stopped and took her to the police station.

“The police were so good. The Caloundra police were just brilliant,” she said.

“They were understanding of my gender and not biased and spoke to me as a normal person. They tried to calm me down because I was quite upset. They said that this just didn't happen here. I want to thank them for their help.

“I also want to thank those people who came to my aid."

“We are leaving the Sunshine Coast, though, because I am afraid to walk down the street. I don't want to leave my room.

“I can't understand why normal people act like this. I harm no one. I don't interfere with anyone. But I am always subjected to people's abuse because they don't like me for who I am.

“This year has been the worst. Not counting this, I have been assaulted three times and robbed three times as well.

“Maybe it is me and country towns. But it is not the older generation, they don't care.

“It is the younger generation, those aged between 15 and 25. It's not fair, it is not right and I don't deserve this treatment for just living my life.”

Police have charged a man with one count of public nuisance and two counts of common assault.


CARLA ANTONELLI a PARIS

Tuesday, December 9, 2008

JOURNÉE MONDIAL CONTRE LE SIDA 01|12|2008


www.pari-t.com


UN, regional advocates call on Governments to protect human rights defenders


9 December 2008 – Human rights defenders continue to pay a high price – including death, disappearance and torture – 10 years after the United Nations General Assembly adopted a declaration enshrining their protection, rights advocates said today, calling on governments to ensure their safety.
“A climate of impunity for violations committed against defenders prevails in numerous countries of the world,” five UN and regional rights representatives
said in a joint warning on the anniversary of the Declaration on Human Rights Defenders.
“In every region of the world, defenders, and often their beloved ones, continue to be subjected to threats, killings, disappearances, torture and ill-treatment, arbitrary detention, surveillance, administrative and judicial harassment, defamation, and more generally, stigmatization by State authorities and non-State actors,” they added, while noting achievements such as regional mechanisms set up in Africa, Europe and the Americas to closely monitor the situation.
These steps have significantly contributed to implementing the Declaration in their respective regions, by raising awareness on the work of defenders, designing protection frameworks and strategies, and promoting their human rights activities.
But rights defenders still face illegitimate restrictions on the exercise of their rights to freedom of opinion and expression, access to information, access to funding, and freedoms of association, including registration, peaceful assembly, and movement, the five said.
“Of particular concern for the signatories of this joint statement is the plight of defenders who, due to the sensitivity of their work, are most exposed to attacks and abuses,” they added. “These include women defenders, defenders working on economic, social and cultural rights, on rights of Lesbian, Gay, Bisexual and Transgender (LGBT) persons, on rights of indigenous peoples and persons belonging to minorities, and fighting impunity for serious crimes and corruption, as well as youth defenders.
“They need specific and enhanced protection as well as targeted and deliberate efforts to make their working environment a safer, more enabling and accepting one,” they declared.
Calling on States other stakeholders to recognize the defenders’ activities as legitimate human rights work, ensure the removal of all obstacles, and take proactive measures to support such work, they stressed that the primary responsibility for such protection lies with Governments.
“Very often firm public stands in support of human rights defenders can transform a situation of vulnerability into one of empowerment for defenders. The new decade ahead must be one in which the provisions of the Declaration on Human Rights Defenders are made a reality worldwide,” they concluded.
Very often firm public stands in support of human rights defenders can transform a situation of vulnerability into one of empowerment for defenders
The joint statement comes ahead of the 60th anniversary of the Universal Declaration of Human Rights to be commemorated worldwide tomorrow.
The five are: UN Special Rapporteur on the situation of human rights defenders Margaret Sekaggya; Special Rapporteur on human rights defenders of the African Commission on Human and Peoples’ Rights Reine Alapini-Gansou; Commissioner for Human Rights of the Council of Europe Thomas Hammarberg; Director of the Organization for Security and Cooperation in Europe (OSCE) Office for Democratic Institutions and Human Rights Janez Lenarcic; and Executive Secretary of the Inter-American Commission on Human Rights Santiago A. Canton.
http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=29230&Cr=Human+rights&Cr1=

Wednesday, December 3, 2008

Journée Mondial contre le SIDA

ET NOUS LES TRANS ?


Au sein de l’espace social, la population transgenre fait l’objet de multiples discriminations directes du fait de la non concordance entre l’apparence physique et le sexe biologique, appelée dysphorie de genre. Le sentiment de perte de repères entre masculin et féminin qu’induit le transgenderisme dans notre société binaire, basé sur la référence à la nature, est à l’origine de ces phénomènes de rejet. Cette référence est à la base des injonctions de conformité aux stéréotypes de la masculinité ou de la féminité.


L’état des connaissances sur la question est marqué par le faible nombre de recherches académiques ; le peu de littérature scientifique sur le sujet connaît des divergences profondes selon la discipline à l’œuvre et le rapport personnel qu’entretiennent les auteurs avec la norme.

Pour la très grande majorité de ces personnes, les discriminations se cumulent, générant chez elles un sentiment prégnant d’exclusion et de relégation aux marges de la société, entraînant isolement et mauvaise image de soi. Rejetées et stigmatisées dans les actes de la vie quotidienne, elles subissent moqueries, insultes et agressions dues à l’ignorance, aux préjugés et à la peur du différent. L’intériorisation du stigmate entraîne une vulnérabilité multiforme dont les principaux facteurs sont d’ordre juridique, économique et sanitaire.

L’attitude face au sida dépend de multiples facteurs : l’exposition au risque de contamination sont moins connus et méritent d’être identifiés de façon précise et analysés en conséquence.

Les préoccupations quotidiennes, à savoir le logement et le travail essentiellement, font passer au second plan les préoccupations sanitaires et occultent bien souvent le risque de contamination par les IST, dont le VIH. Pour certaines, usagères de drogue par injections intraveineuses, le risque de transmission du VIH par l’utilisation de seringues contaminées n’est pas nul. Il en va de même pour les injections d’hormones prises en dehors du cadre médical. (1)

Face à cet état de fait, nous rappelons aux responsables institutionnels la nécessité de mettre en place de conditions et de structures pour :
· L’accompagnement et la formation éducative à l'accès aux services de santé.
· L’accompagnement et la formation éducative spécifique pour les personnes atteintes par le VIH.
· La formation et l’investigation de la problématique entre le VIH et l’hormonothérapie.
· La création d'outils de prévention dans les langues des personnes concernées.
· La création d'ateliers de prévention.
· Le soutien aux structures associatives permettant de sortir de la prostitution.
· L’accompagnement, l’hébergement et la protection pour toute personne désireuse de sortir de la prostitution.
· L’orientation et la formation pour l’insertion professionnelle et sociale.
· L‘information et le conseil pour tous les problèmes juridiques.
· Le soutien à l’investigation et un suivi rigoureux des rapports liés au crime.
· L’accompagnement de toutes les démarches pour la régularisation administrative des étrangères.
· Le soutien des structures institutionnelles et associatives permettant de se libérer de toute forme de violence et d'exploitation.
· L’accompagnement de toute personne subissant des violences et/ou victime d’exploitation.
· L’observation des dynamiques existantes concernant la prostitution.
· Le soutien financier aux études sur les problématiques liées à la population transgenre. (2)
Kouka Garcia,
Présidente de PARI-T
http://www.pari-t.com/
http://www.trans-memorial.eu/

(1) Françoise Gil – Sociologue
(2) Jó Bernardo (La Communauté Transgenre-Une réalité Voilée: 67éme rencontre du CRIPS Île-de-France en partenariat. avec Act up Paris 2007)

Thursday, November 20, 2008

Tueurs de prostituées

Depuis la mi-octobre 2008, la police judiciaire enquête sur les mystérieuses disparitions de trois prostituées à Marseille - une Ukrainienne de 42 ans, une Roumaine de 23 ans et une Algérienne de 28 ans - survenues entre le 5 octobre et le 7 novembre. Suite au témoignage d'une quatrième (...)


http://www.france5.fr/c-dans-l-air/index-fr.php?page=resume&id_rubrique=1020#

Wednesday, November 12, 2008

E depois do adeus...

Este é o mês do adeus a duas figuras que foram referência tão importante da nossa/minha generação.
Dois personagens grandes e igualmente antagónicos mas com os quais aprendemos muito sobre o significado das agruras da rua.

Adeus Tuxa,

Quem disser que foste mazinha terá concerteza as suas razões, mas também deste a camisola muitas vezes, por isso descansa em paz e obrigada por, tantas vezes, me teres acolhido junto do teu grupo de copos no Finalmente Clube e na "pensão" sem alguma vez me teres pedido o que quer que fosse. Obrigada.

Adeus Jacinta

O mesmo que escrevi para a Tuxa vale para ti também e aproveito para agradecer ao PASTT- Paris por te ter dado a oportunidade de poderes ajudar tantas outras trans atraves do teu trabalho junto desta associação.

Descansem em paz

Friday, July 4, 2008

A IMPORTÂNCIA DE SER RETRÓGRADA

Fernanda Câncio
jornalista
Em entrevista à TVI, entre proclamações do género "nem mais uma obra pública para Portugal", e "ainda não sei bem por onde vou mas sei que não vou por onde vai o Governo vá o governo por onde for", a nova líder do PSD assumiu não ser "suficientemente retrógrada para ser contra as relações homossexuais". Porém, para o caso de alguém a tomar por modernaça (coisa, que, depreende-se, atentará muito contra a sua particular ideia de credibilidade) Manuela Ferreira Leite certificou que, afinal, defende que estas relações devem ser discriminadas: "Pronuncio-me, sim, sobre o tentar atribuir o mesmo estatuto àquilo que é uma relação de duas pessoas do mesmo sexo igualmente ao estatuto de pessoas de sexo diferente (…) Admito que esteja a fazer uma discriminação porque é uma situação que não é igual. A sociedade está organizada e tem determinado tipo de privilégios, tem determinado tipo de regalias e de medidas fiscais no sentido de promover a família."Ferreira Leite é não só livre de ser retrógrada e de achar bem que os homossexuais sejam discriminados como é muito bem-vinda a clarificação (uma que seja) da sua posição sobre esta matéria. É até livre de achar que o casamento só serve para procriar. Pena que não aproveite para propor que o Código Civil deve levar uma grande volta no sentido de proibir terminantemente o casamento a mulheres pós-menopausa, a homens com baixa contagem de espermatozóides e de um modo geral a todos os que não assinem uma declaração vinculativa da sua determinação de se multiplicarem. Por outro lado, ao postular que "a família tem por objectivo a procriação", eximiu-se de explicar por que carga de água confunde família e casamento. Que chamará MFL a casamentos entre pessoas de sexo diferente dos quais não resultam filhos e como qualifica as uniões de facto (que numa lei de 2001 equipararam casais hetero e homossexuais): se as pessoas que vivem em união de facto não são uma família, serão o quê? Acresce que, apesar de ter sido ministra das Finanças, aparentemente ignora que os "privilégios", "regalias" e "benefícios" a que se refere como aqueles que a sociedade usa para "promover a família" (entendida aqui no sentido que lhe dá a líder do PSD, ou seja, o da procriação) como o abono de família, o subsídio às grávidas e o estabelecimento diferenciado de escalões de IRS, têm relação directa com a existência de filhos, independentemente de os pais estarem ou não casados. Ainda por cima, no meio de toda esta baralhação, a dirigente do PSD não logra, no tempo de duração de uma entrevista, manter a sua posição sobre a matéria: "Chame-lhe [ao casamento entre pessoas do mesmo sexo] o que quiser, não lhe chame é o mesmo nome. Uma coisa é o casamento, outra é outra coisa qualquer." Afinal MFL não se opõe à criação de um instituto jurídico análogo ao do casamento civil para casais do mesmo sexo, desde que com outro nome. Ao ar foram os argumentos anteriores, a questão fiscal, etc. Ficou só a impressão que lhe faz "chamar a mesma coisa". Honra lhe seja feita, MFL é, apesar da confusão na forma, cristalina no conteúdo: não quer ser "suficientemente retrógrada" ao ponto de se dizer "contra" as relações homossexuais. Só o suficiente para dizer que são indignas de um estatuto de igualdade. Só retrógrada que baste para defender a discriminação e para assumir que um casamento especial para homossexuais é discriminatório. Até que enfim.

Denuncia publica de ataque difamatorio

Sempre achei que a integridade das pessoas deveria ser defendida acima de tudo e independentemente dos cargos ou posições institucionais que as respectivas pessoas ocupam e é com este espírito que me pronuncio sobre o episodio em causa.

Conheço a Eduarda Santos, ou se preferirem a "fofacd", à demasiado tempo e, apesar das divergências, aprecio-lhe, como muitos (se calhar nem tantos) de nos, a sua já habitual frontalidade para aceitar que por um rasgo misericordioso a mesma se tenha deixado levar pela loucura e cometido os actos que se lhes imputa.

E porque não me passa sequer pela cabeça conceber que a Eduarda tenha iniciado uma forma diferente ou menos digna de exercer o seu direito de activista independente, que sempre demonstrou ser, recomendo vivamente que se encha de paciência e solicite apoio jurídico junto de organizações ou intituições que dele disponham gratuitamente e que de seguimento a uma queixa de difamação.

Creio que o habito instalado de difamar impunemente outrem só pode ser combatido pela via legal munindo-se de todos os instrumentos necessários e ao dispor das varias, muitas associações existentes ( SOS racismo, Amnistia internacional ou outras).
Não fosse a gravidade da situação e o episodio seria somente caricato quanto mais nao seja pela afirmação de um dos intervenientes ao afirmar que tenciona avisar "as secções de psiquiatria convenientes Julio de Matos/Santa Maria".

A não ser que me tenha escapado alguma coisa, as secções de psiquiatria dos acima mencionados hospitais não estão habilitadas para intervir em casos de difamação, sejam elas anónimas ou não, para isso existem as autoridades policiais competentes.

Convinha esclarecer obviamente se o processo a que faz referencia o dirigente associativo corresponde ao processo elaborado pelos respectivos serviços hospitalares ou se se refere ao processo jurídico.

E em qualquer um dos cenários apresentados anteriormente, pergunto-me se deve a Eduarda Santos avisar também as respectivas secções de psiquiatria sobre a gravidade das acusações formuladas contra a sua pessoa por determinado dirigente associativo gay? Para que conste no processo obviamente.....

Jo Bernardo
De Vacances


On 04/07/2008, Eduarda Santos <
fofacd@yahoo.com.br> wrote:
Sexta-feira, Julho 04, 2008

Denúncia pública de ataque difamatório transfóbico
No dia 30 de Junho deste ano de 2008, recebi no meu email a seguinte mensagem, que passo a transcrever na sua totalidade, dado o teor altamente difamatório da mesma:"No dia 24 de Maio, às 13.59 minutos, entrou no meu telemóvel , a seguinte mensagem anónima enviada através da net ,e do centro de mensagens da tmn:" Merdoso vigarista desaparece da cena gay vais ser posto nu essa casa de putas vai ser visitada pelo média que consegues enganar.Ate´quando? Vê pagina o..."Mensagem de teor idêntico foi enviada na mesma altura ,mas com outro texto, para Eva Russo-- ameaçadora, para sair das instalações da Associacao,onde reside benevolamente, há mais de um ano, em nome da nossa solidariedade com transsexuais.Dada a data da mensagem, no dia de eleições na Opus Gay, e o seu teor insultuoso ,pedi logo investigação a quem de direito, e fui informado que partiu do telefone de Eduarda Santos,conhecida por transfofa,e que aliás ,se diz amiga de Eva Russo.Conhecendor da sua autoria, já ha algum tempo, deixei passar as festas do Pride,para nao provocar perturbações.nao conhecendo a personagem em causa,embora habituado a campanhas de ódio,e até de assassínio de carácter, contra mim/Opus Gay ,deixo o aviso que posso vir a processar legitimamente a pessoa, ou pessoas em causa.O seu desequilíbrio emocional nao se pode virar impunemente contra qualquer pessoa, como se nao fossem responsáveis juridicamente.Entretanto, nao deixarei de avisar as secções de psiquiatria convenientes,Júlio de Matos / Sta Maria , se voltar a ser injuriosamente abordado, individualmente,ou como responsável da Opus Gay,para que conste do seu processo.António SerzedeloPresidente da Opus Gay"Esta mensagem foi enviada para mim e para mais uma meia dúzia de pessoas.Como é de calcular, fiquei absolutamente estupefacta. Já se sabia de há muito tempo que este senhor, devido às suas afirmações altamente lesivas de toda uma comunidade, era transfóbico. Até aqui nenhuma novidade.Agora que demonstrasse uma tão grande falta de carácter, difamando por meio de mentiras ainda por cima facilmente desmascaradas, é que não se sabia. Pelo menos eu não o sabia. Ainda por cima sendo presidente de uma associação, o que efectivamente agrava, e muito na minha opinião, o caso.Imediatamente, ou seja, depois de ler o email, elaborei a minha resposta, arrasando com as falsidades levianamente emitidas por esta personagem, a qual transcrevo a seguir, também na íntegra, e enviada para as mesmas pessoas:"Usufruindo do meu direito de resposta, porque poderia pôr em causa a minha dignidade como activista transexual independente, aqui declaro o seguinte:Como pessoa e como activista, não tenho receio de dizer a minha opinião, sempre que ache que tal se justifica. Como tal, sempre o fiz abertamente, ou pessoalmente e frontalmente, ou via email, no meu blog e para mailing lists onde sei que ficam acessíveis, facultando sempre o direito de resposta.Nunca foi o meu estilo, como bem sabe quem me conhece, mandar mensagens anónimas seja a quem fôr. Mesmo que o fizesse nunca seriam anónimas, pois tal como faço no meu blog, são sempre assinadas por mim. Como disse, não tenho receio de falar e criticar sempre que o achar necessário.Quem tenha lido os meus escritos, saberá bem que não me exprimo da maneira que vem descrita neste email. Todas as minhas críticas são fundamentadas, resultam ou de factos ou de atitudes que considere merecerem reparo da minha parte.Posto isto, considerem-se as seguintes:Não fiz nem faço parte da organização da Marcha Pride, nem do arraial. Não fiz nem faço parte de nenhuma associação e/ou grupo inseridos nessas organizações. Sou activista independente, colaboro com qualquer associação/grupo sempre que tal me seja solicitado e que considere válido. Como tal, não se compreende como, ter esperado este tempo todo para "denunciar" estas mensagens anónimas poderia alguma vez provocar "perturbações" no Pride, como é descrito.Por duas ocasiões, pelo menos, tive oportunidade de trocar breves impressões com o autor deste email: na manifstação na Assembleia da República no dia 09 de Junho de 2006, por ocasião da acção de protesto contra a situação de exclusão das pessoas transexuais, consequência directa do assassínio de Gisberta, onde trocámos breves palavras. E na Karnart, na noite de 24 para 25 de Dezembro de 2006, na Excentrik Party, onde estive a trabalhar no bengaleiro, e onde também trocámos algumas palavras. Portanto eu conheço a "personagem" (usando a mesma fraseologia) em causa. Se a dita personagem não se lembra, aqui fica o lembrete.Em relação às ameaças que faz, considero pertinente que efectivamente descubra quem será essa "Eduarda Santos", que muito convenientemente confundiu comigo (transfofa), e que siga os trâmites que considerar necessários. Como eu nunca mandei, nem nunca mandaria tais emails, simplesmente por não ser o meu estilo, estou de consciência tranquila. Obviamente que nessa altura um pedido de desculpas da sua parte seria conveniente.Finalmente, eu não posso ter enviado essas mensagens pelo site da TMN pela simples razão de que não sou nem nunca fui cliente da TMN. Não tenho nem nunca tive qualquer contacto como cliente com a TMN, o meu operador é outro. Não tenho, nem nunca tive, nem net, nem telefone fixo nem telemóvel da TMN.Como se esta razão, só por si, não fosse prova concludente da falsidade que me estão a querer impor, infelizmente ainda não pude mudar nome e género nos meus documentos. Logo, o retorno sobre quem enviou as ditas mensagens nunca poderia aparecer como "Eduarda Santos aka transfofa". teria de ser, obrigatoriamente, um nome masculino. Logo, isto tudo não passa de uma tentativa ridícula de calar/meter medo a uma voz que tem criticado bastantes vezes afirmações desagradáveis e que lesam, não só uma pessoa, mas comunidades inteiras. A transfobia existe, mesmo nos meios LG, embora possa não ser agradável de o reconhecer. E pese muito o facto de até ajudar uma pessoa transexual, no caso da Eva Russo, não é o suficiente para depois produzir determinadas opiniões que só se podem catalogar como transfóbicas.Também, segundo parece, me vou habituando a sofrer "campanhas de ódio,e até de assassínio de carácter", coisa a que, embora nunca tenha recebido no telemóvel, já é usual receber via email ou como comentários no blog. Como não ligo nenhuma a ofensas pessoais,pois só quem não tem argumentação é que usa meios tão reles, não lhes ligo nenhuma. Até já ameaças de morte recebi. E continuo por aqui.Não serão ameaças de espécie alguma que me farão calar, sempre que o achar necessário. Talvez (e a ideia é essa) quem profere afirmações ou quem faça (ou deixe de fazer) acções lesivas da comunidade trans (Transgénero neste caso) deva pensar mais vezes no que faz ou no que não faz, evitando assim críticas que pelos vistos não têm bagagem suficiente para suportar.Eduarda Santos, activista transexual independente"Nos entrementes, apareceram mais dois emails, um vindo do email do GLS Portugal, por um danie com o seguinte teor:"DifamaçãoEstá desmascarada a tresloucada, que desde há bastante tempo, tem-se dedicado a difamar a OpusGay e o Gls Portugal em blogs como o Renas e Veados e Os Tempos que Correm. A mesma que pessoa que tem praticado um verdadeiro terrorismo psicológico contra mim, abarrotando-me a caixa de mensagens com e-mails insultuosos onde me acusava, juntamente com a Opus, de estarmos envolvidos em pedofilia.Dizia ela que sabia que a Opus estava usando as suas instalações para prostituir menores de idade e que eu estava envolvido. E ameaçava que iria denunciar-nos á PJ e á imprensa.Fazem ideia de que é estar sendo constantemente a acusado em blogs destas enormidades ? Ainda por cima sabendo que os donos desses blogs acreditavam em tudo e, várias vezes, nos atacaram, como fizeram no Renas e Veados ?Tudo leva a crer que essa pessoa, era a mesma que massacrava os principais blogs com mensagens a difamar-nos e inclusive fazendo-se passar por nós.Pensava eu que se tratava de algum perito em informática, já que até os nossos ips ela imitava. Mas, afinal, trata-se apenas de uma doida!E para que conste, ela (e provavelmente outras pessoas envolvidas - que têm feito tudo para nos silenciar) não conseguiram acabar nem com a Opus Gay nem com o Gls Portugal, muito pelo contrário, o Gls Portugal não poderia estar a atravessar uma fase melhor, e até acabámos de inaugurar uma nova página (o 69
http://69.glsportugal.com ).Acho que essas pessoas são tão miúpes, que devem estar convencidas que o mundo só gira à volta dos seus mundinhos pequenos e medíocres. Por essas e por outras, é que depois só aparecem 300 pessoas no Arraial Gay…"Como se pode observar, existem sempre uns pobres coitados que estão sempre prontos a ouvir todo o tipo de bacoradas e a dar-lhes crédito, aproveitando para acrescentar mais um ror de mentiras. Pena que desta vez tenham batido à porta errada. Não aceito calúnias, mesmo tão fracas e incongruentes como estas levianamente. O senhor em causa devia era estar muito caladinho e não lançar boatos sem fundamentos e sem provas. Sujeita-se também a um processozinho de difamação, e o problema é que, ao contrário de mim, não tem defesa possível.Enfim, triste é o panorama activista português com exemplos destes.Como resposta, o Sr, Serzedelo emitiu o seguinte email:"OláEntão está explicado quem tem andado a postar essa mensagem em vários blogs, como O Renas e Veados e Os Tempos que Correm, e outros, onde ela dizia que as instalações da Opus Gay estavam a ser utilizadas para fins de prostituição com menores de idade (o que eu acho gravissimo)e ameaçava revelar tudo à PJ e à imprensa. Ainda bem que essa gaja foi desmascarada. Aconselho-te a enviar esta mensagem para Os Renas e Veados e Os Tempos que correm, para eles ficarem sabendo quem andava a plantar essas calunias nojentas por lá"Não é preciso mandar terceiros fazer o trabalho sujo. Eu própria, por meio deste post, distribuído pelas mailing lists principais, venho denunciar um esquema que nada mais é que uma tentativa frustrada de calarem uma voz crítica às afirmações e declarações do Sr. Serzedelo (em relação ao GLS Portugal, que eu me lembre nunca postei nada a criticar seja o que fôr, portanto não vejo o interesse que tenham. Mesmo quando foram expulsos da mailing list das Panteras, não tive qualquer participação nesse facto, portanto só posso deduzir que, ou gostam de difamar pessoas, ou é burrice mesmo).Depois da minha resposta, só recebi mais um email dia 3, também do Sr. Serzedelo, que reza o seguinte:"Eis a mensagem anónima enviada à EVA no mesmo dia , o que mostra que é de uma pessoa muito próxima,e dentro de algumas questões...."TU TAMBEM ESTAS A PACTUAR COM ESSA VELHA PUTA.ÉS EXPLORADA E MERECES.SAI ANTES DAÍ ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS.A LUNA FALOU DE TI.CUIDATE!Por aqui me fico ,por ora...Reacção de um leitor:É triste isso. E só demonstra que a Eduarda está a precisar de ajuda URGENTENão sei se faz sentido culpar alguém pela sua doençaMas será que é só ela que está "destranbelhada" ?Essas pessoas estão cheias de ódio mas, talvez, este se resolvesse conversandoPor algum motivo, que só a psicologia explica, a Eduarda identifica-te como sendo o inimigoPortanto, todas as pessoas que estiverem do teu lado serão vistas igualmente como inimigas"Mais uma vez falsidades e mentiras. Não conheci a Luna pessoalmente, somente fui à vigília por ela ter sido uma mulher transexual barbaramente assassinada tal como aconteceu com Gisberta, a qual também não conhecia. E isso não me impediu de ir à Assembleia da República em protesto.O que revela tudo isto? Contrariamente ao que dizem, não me parece que seja eu quem está "destrambelhada", mas sim quem usa meios tão infames e mesquinhos para tentarem desacreditar e calar vozes críticas. Revela uma falta crónica de bagagem, pois nunca se defenderam às críticas, preferindo antes actuarem por meio de cobardes ataques. A meu ver, revela uma total falta de carácter e uma personalidade doentia e vingativa.Em vez de enviarem emails tentando denegrir a dignidade de uns e outros, e se têm tanta certeza das afirmações que escreveram, porque não avançam logo com um processo? Simples. Porque sabem que não têm razão, que é tudo inventado.Que tipo de presidente é este, que não hesita em caluniar gratuitamente as vozes críticas à sua actuação? É isto um exemplo que um presidente de uma associação deve dar?Fica a pergunta no ar: Que futuro terá uma associação com um presidente deste tipo?
http://transfofa.blogspot.com
E viva Portugal... digo eu....

Thursday, June 26, 2008

VANITTI


Olá amiga,

Tu que nasceste no bairro chique do Principe Real e que pertencias à alta burguesia lisboeta.

Tu que estudaste e que foste professora, percebeste e sentiste na pele o custo de se assumir tal como se é.

Enfim amiga, a tua luta foi grande, dificil e, quem sabe, talvez não tenha sido totalmente em vão.

Descansa em paz, minha amiga do coração.

Sunday, June 22, 2008

MARCHAR PARA QUÊ E COM QUEM?


O MOVIMENTO LGBT PORTUGUÊS NUMA ENCRUZILHADA E ALGUMAS ESCOLHAS EM CURSO Vivemos tempos curiosos, difíceis e de desfecho não-adivinhável, embora possamos antever algumas tendências, no movimento LGBT em Portugal. Tempos de particular sectarismo, divisão, incomunicação. Desde 2003 que o movimento associativo LGBT não é capaz de manter estruturas nacionais, com o preço evidente da perca de capacidade de debate político, de interpretação do momento político e da mudança social, sem articulação, cada um fechado na utilidade do seu trabalho específico, na sua caixinha, incapaz de abraçar as novas temáticas, discursos e perspectivas, com perda de estratégias comuns mínimas e possibilidade de ampliação da capacidade efectiva de transformação social, ou seja, de obter vitórias expressivas com o máximo impacto social, em suma, de cumprir os objectivos comuns a que nos propomos enquanto movimento, para lá das diferentes convicções e estratégias que fazem a nossa diversidade enquanto movimento social. Os sintomas são muitos e reveladores: cansaço progressivo de muit@s d@s activistas de primeira geração, aqueles/as que nos últimos 10-15 anos construíram a visibilidade e a relevância social e política que têm hoje as vivências LGBT em Portugal; desaparecimento de colectivos e associações sem real renovação e aparecimento de outros; incapacidade de compreensão e resposta a novas gerações LGBT e não só que cresceram no quadro da visibilidade e da existência do associativismo LGBT e entendem a sua importância como nenhuma geração anterior… mas não se revêem nem nas associações, nem na cultura gay mainstream, nem muitas vezes nas categorias e políticas identitárias que existem; fechamento em políticas corporativas com estagnação da capacidade real e concretizada de abrir espaços de comunicação com outros sectores e movimentos sociais que produzam intervenção comum para lá das declarações de compreensão mútua; tendência para um conservadorismo acrítico dos mecanismos de integração e reprodução do heterossexismo, que desemboca num desejo de "normalização" não-criativa, não-transformadora e portanto derrotista e derrotada à partida no que toca a fazer a pedagogia da não-discriminação numa sociedade ainda essencialmente fóbica, isto para lá de se acreditar numa intervenção mais ou menos institucional, que trabalhe mais a luta pela igualdade ou a luta pelo direito à diferença, porque as várias perspectivas são válidas, necessárias e complementares. Assim é, sem tirar nem pôr, quando o "sintoma opus gay" que assombrou o movimento durante anos – nós é que somos, tudo o resto terra queimada - se dissemina entre outr@s activistas e colectivos cuja prioridade se torna não tanto o combate à discriminação e a construção de um movimento social, mas a busca da hegemonia, o torpedear do colectivo ao lado, a afirmação de personalidades individuais por sobre o valor do trabalho colectivo.Assim é quando o trabalho institucional se torna não uma parte do trabalho de pressão, mobilização, consciencialização e luta por direitos sociais, mas antes um pedinchar, um abrir de pernas ao poder do momento e à interferência de interesses partidários – os do poder do momento - num movimento onde só podem caber os seus interesses próprios.Assim é quando a luta pelo reconhecimento de direitos formais como o alargamento do direito ao casamento civil ou pelo reconhecimento da adopção e homoparentalidade se faz mais apresentando a população LGBT como cópia do ideal (não espelhado sequer na realidade heterossexual) conservador do casal hetero – "nós até somos como vocês, casais bem-comportadinhos, até nem somos promíscuos, somos muito, muito normaizinhos", como se a bitola da normalidade em Portugal, neste campo, não fosse a heterossexualidade – do que pela afirmação da realidade que é a diversidade familiar e relacional que hoje temos, homos, heteros e todos os outros que já não se inserem nestas caixas artificialmente opostas.Assim é quando o movimento se centra nas expressões masculinas, urbanas e de classe média das vivências homossexuais que puderam sair à luz do dia, e de forma classista desiste da maioria oprimida, aquela que não cabe no "glamour" da cultura gay mainstream nem tem dinheiro para aceder a um comércio rosa sem responsabilidade social nem consciência nem solidariedade com o movimento associativo (salvo raras e honrosas excepções). Assim é, quando um movimento que celebra o Dia Mundial Contra a Homofobia a 17 de Maio para relembrar a data em que a homossexualidade foi retirada da lista de doenças mentais, tarda em abraçar plenamente a luta pelo reconhecimento dos direitos das pessoas trans, e se recusa a compreender a luta das pessoas transexuais para que a sua diferença de género deixe de ser considerada, com os mesmos argumentos que faziam do homossexual um doente, uma doença mental.Assim é quando um movimento se esgota meramente em políticas identitárias e corporativas típicas dos anos 90, e não entende que o movimento a nível mundial se diz cada vez mais QUEER e transborda para camadas que antes se diziam hetero, porque entende as identidades LGBT como transitórias e de resistência à discriminação e não como um fim em si, porque percebe que as fronteiras são fluidas e as vivências heterogéneas, porque cada vez mais se sabe que é falso que as nossas potencialidades e identidades se esgotem nos binarismos homo-hetero ou homem-mulher, e que a realidade sexual e de género, humana ou individual, é muito mais diversa, complexa, mutante, mutável. Assim é quando um movimento que em 2003 apoiava massivamente uma greve geral convocada pela CGTP - por entender que os atentados aos direitos gerais da população, portuguesa ou imigrante, em termos de trabalho, segurança social ou direito a educação e à saúde são, em primeiro lugar, atentados específicos contra as minorias já em desvantagem social, que são sempre as primeira a sofrer os embates das políticas sociais e seus bodes expiatórios, logo são também "temas LGBT" – tem hoje associações que se recusam a participar numa marcha LGBT que é de tod@s com o argumento da referência ao tema "poliamor", em função da presença de um colectivo dedicado ao tema que esteve entre os grupos fundadores da mesma. Não percebendo que "tema lgbt" é qualquer tema que ponha em causa a hegemonia e exclusividade dos modelos amorosos e relacionais dominantes – heterossexualidade, dominância masculina, monogamia… -, não entendendo que o movimento LGBT em Portugal só tem futuro se souber abrir-se e sair de si mesmo e das políticas exclusivamente auto-centradas, relacionando discriminações que funcionam aliadas, procurando alianças com quem abre novos espaços de comunicação noutros sectores, construindo, a par de uma consciência LGBT, movimentos mais amplos pela liberdade sexual, pela educação sexual, pelo questionamento dos modelos únicos, pelo fim da discriminação das mulheres, pelo fim das outras discriminações (como o racismo, também referido no mesmo manifesto, mas esse já será considerado um tema lgbt? Ao menos isso, mas não se entende a dupla bitola) e da injustiça social em geral.Assim é quando sectores amplos do movimento LGBT não entendem a necessidade de estabelecer pontes, sobretudo com quem voluntariamente, a partir de outros temas, se aproxima solidariamente da causa lgbt; não compreendem que a luta pelos direitos LGBT não pode ser desligada da pedagogia pela liberdade sexual, pelos direitos sexuais em geral, do feminismo, das populações não-brancas que se organizam contra o racismo e as leis xenófobas anti-imigrantes. Fazem como fazia o sindicalismo há alguns anos, que encarava "os trabalhadores" como seres monolíticos que apenas trabalhavam e não via por detrás dessa identidade monocromática homens e mulheres, hetero e homo, portugueses e imigrantes, ou seja diversidade. Seremos nós, hoje, a olhar para a população LGBT e a resumi-la à sua orientação sexual ou identidade de género? Estaremos então, realmente, a ver as pessoas para quem trabalhamos, e a reconhecer a sua realidade concreta? Assim, não. Um movimento que continua a falar exclusivamente para os mesmos actores LGBT de há 10 anos, sem perceber que deve hoje mais do que nunca gerir a contradição entre fazer comunicação identitária junto dessas populações, ainda maioritariamente no armário e na cultura da lesbigaytransfobia internalizada dominada pelo gay "normal, masculino e discreto", e simultaneamente saber abrir-se ao discurso de novas gerações que procuram hoje nas suas vidas transformar a (má) vivência individual, social e política da sexualidade mas já não se identificam com o associativismo como o conhecemos, nem com as caixinhas ou as velhas culturas instituídas de gay, lésbica ou mesmo bisexual; um movimento que não entende que terminou a fase primogénita de visibilização social que foram estes 10-15 anos, e que o que aí vem agora, para lá do reconhecimento legal de alguns direitos e fim de algumas discriminações formais, é o maior embate lesbigaytransfóbico que já viveu a sociedade portuguesa, uma contra-reacção conservadora aos anos de conquista dessa visibilidade, para mais favorecida pelo contexto nacional de grave crise social e económica; um movimento que confunde estes anos de construção inicial com a ideia falsa de que as mais duras expressões da lesbigaytransfobia foram já vencidas em Portugal – como se não fosse apenas agora, que SOMOS realidade social inegável que estas forças sentem a necessidade inteira de exprimir e organizar socialmente e politicamente o seu preconceito e até moldar as nossas incontornáveis vidas aos mesmos modelos que sempre nos oprimiram - é um movimento que não aprendeu com a história, que quer saltar etapas incontornáveis sem nelas meter o pé, que continua a não chegar à esmagadora maioria do seu público-alvo mas não procura os meios para essa comunicação, e que fundamentalmente não está nem quer estar preparado para esta nova fase que se avizinha. Com "mortos e feridos", em 10-15 anos pusemos cá fora as vivências LGBT. E sei que hoje não estamos preparados/as para cuidar dos mortos e feridos que isso está para provocar. Falo então de uma crise de crescimento, de uma transição dolorosa, e não da morte de um movimento ou de uma fatalidade. Derrotismo, não é reconhecer e tentar entender estas mudanças e adaptar a elas a nossa intervenção. Derrotismo, é pensar que podemos evoluir sem repensar continuamente, e achar que a esperança de amanhã se constrói com as formas de pensar e os conceitos de há 10 anos, dirigindo-nos às pessoas de há dez anos como se fosse o mesmo o público que hoje nos observa, ou criando diferenciações discriminatórias e favorecendo privilegiados dentro da própria comunidade, sem perceber que dentro de qualquer grupo excluído há sempre os fracos dos fracos, os mais excluídos do que outros, os excluídos pelos próprios excluídos. É isto a discriminação: não mero preconceito, mas a reinvenção permanente de relações de poder e opressão reproduzidas ao mais ínfimo das relações humanas. E é isso que faz da lesbigaytransfobia um sistema político, mesmo que sem Estado ou aparelho repressivo próprio. Para que precisaria dele, se lhe bastam as nossas cabeças? Não, não falo de fim, mas de reinício ou continuação. Mas falo de transição, e ela dói porque tem de doer. Novas identidades sexuais, mais fluidas e novas formas de encarar e viver as identidades, as novas e as já instituídas. Novas expressões associativas. Novas especializações - quem se ocupe especificamente dos jovens expulsos de casa, dos séniores lgbt, quem faça mais rede social. Expressões autónomas e diversas de movimento lésbico, de movimento bi, de gays e lésbicas das comunidades imigrantes, de estudantes pela educação sexual, expressões renovadas e não fóbicas do movimento feminista… de outras vertantes da luta por uma sexualidade responsável, sem tabus, vivida saudavelmente como parte da vida. Sangue novo, e não falo de idade necessariamente quando digo "novo". Tudo isso aí vem, em parte já aí está, e felizmente nem sempre as "velhas" estruturas deixaram de acompanhar a novidade. Mas maioritariamente não está a ser assim. Esperemos, sem esperar sentad@s, que tudo isto aí venha, e esperemos saber contribuir para isso e fazer parte dessa transformação. Nada disso é porém possível sem capacidade de debate comum, no contexto do sectarismo básico e auto-afirmativo cego, sem juntar forças naquilo em que podemos estar de acordo, para lá dos preconceitos e das divergências políticas e estratégicas que só nos enriquecem e melhoram argumentos, sem capacidade de abrir os olhos perante novos temas e novas ideias, mesmo que criticamente (há outra forma?), sem pelo menos a capacidade de saber ouvir e de questionar tudo aquilo que à nossa volta se está a transformar mais depressa do que alguma vez prevemos.Não, o associativismo LGBT já não é um exclusivo da sua geração original; as suas novas gerações não vão limitar-se ao quadro discursivo, identitário e de pensamento das gerações que as antecederam; quem o faz, está a escolher ficar para lá ou para cá do claro período de transição que vivemos; e dramático seria apenas se esta evolução não estivesse já em curso independentemente de quem não a compreende e se prepara, portanto, para ficar pelo caminho. Não quero ser dono da razão, mas também não me retiro a legitimidade de pensar ou de falar em nome próprio. Escrevo para debater e ser questionado por quem ainda é capaz de respeitar as divergências de opiniões sem as encostar e categorizar imediatamente e eternamente como "radicais", "moderadas", "derrotistas" ou "ultrapassadas", logo, como nem valendo a pena discutir ou "trabalhar com". Dou o meu contributo, como sempre dei, o mesmo que hoje questiono para dar conforme as exigências da realidade e as minhas convicções próprias. Sejam as marchas lgbt, então, a expressão destas diversidades, de uma vontade de luta transformadora de tantos aspectos negativos em Portugal, uma proposta de intervenção não-corporativa e não exclusivamente LGBT, mas de tod@s @s que lutam pela diversidade social, sexual, política, contra as forças medievais que ainda regem a sociedade portuguesa e por direitos para tod@s. Porque sim, na diferença e na divergência, dentro e fora do movimento lgbt, a união faz mesmo a força, e o sectarismo bacoco ou os orgulhos pessoais postos acima do interesse da intervenção social fazem a fraqueza e a irresponsabilidade. Não sejam os próprios movimentos LGBT a fechar-se em si, a excluir novos actores, a encerrarem-se na sua temática com prejuízo de um combate eficaz à lesbigaytransfobia, porque ela não existe isolada nem se combate isoladamente. Mais do que nunca:

Dia 28 de JUNHO, às 16h, no Príncipe Real em Lisboa.

Dia 12 de JULHO, 15h, na Praça da República no Porto


sem necessidade de rótulos, sem exclusões, celebrando a diversidade, procurando e não recusando todas as alianças de que necessitamos na sociedade portuguesa, sem vergonha – porque negar a luta pelos direitos lgbt como parte das lutas pelos direitos sexuais não é outra coisa… vamos marchar pelo orgulho em estarmos cá fora e de cabeça levantada apesar da discriminação, vamos dar a cara colectivamente por todos e todas @s que não podem dá-la, e para que ninguém no futuro seja forçado a dar a cara para que os direitos humanos mais básicos sejam reconhecidos, valorizados e respeitados. Porque é isso a Marcha, e é desse Orgulho que falamos. Saibamos com modéstia honrá-lo melhor do que andamos a fazer, e fazer justiça à nossa própria história e esforço activista e aos frutos que ele já deu.


21 de Junho de 2008

Sérgio Vitorino

Activista LGBT

Wednesday, June 18, 2008

Des toilettes pour travestis dans un lycée de la campagne thaïlandaise


--Par Ambika Ahuja--[18/06/2008 13:47]TOK101-0730991211, BK101-0618080250


BANGKOK (AP) -- Un lycée de la Thaïlande rurale vient d'inaugurer des toilettespour travestis, réservés aux jeunes garçons qui viennent en cours habillés enfilles.
L'établissement Kampang (province de Sisaket, dans le nord-est de la Thaïlande) avait en effet réalisé une étude au dernier trimestre montrant que plus de 200des 2.600 élèves se considéraient comme «transgenre», explique son directeur, Sitisak Sumontha.
Au retour des vacances en mai, l'établissement a donc dévoilé de nouvelles toilettes unisexes, portant comme symbole une silhouette coupée en deux, pourmoitié un homme dessiné en bleu, pour l'autre une femme en rouge. Il est indiqué en-dessous «toilettes pour travestis».
Une nouveauté saluée par trois étudiants, venus se repoudrer le nez et s'épiler les sourcils au passage. «Ca me fait tellement plaisir», confie VichaiSangsakul, qui porte une petite coupe courte ébouriffée agrémentée d'une barrette rose. «Cela fait mauvais genre d'aller dans les toilettes des filles.Que penseraient les gens?», a-t-il expliqué sur la nouvelle chaîne thaïlandaise PBS.
Si les régions rurales de Thaïlande restent très conservatrices sur bien despoints, l'initiative du lycée Kampang reflète un autre aspect de la société thaï: sa tolérance vis-à-vis de la très visible communauté transgenre, qui regroupe travestis, transexuels ou hermaphrodites.
«Ces étudiants pourront aller aux toilettes tranquillement sans avoir peur qu'on les regarde, qu'on se moque d'eux ou qu'on les pelote», souligne le directeur del'établissement. Les «katoey», nom thaïlandais des transgenres, quichoisissaient les toilettes pour filles mettaient mal à l'aise certaines élèves et ceux qui allaient chez les garçons se faisaient souvent harceler ou agresser,explique-t-il.
Les élèves «n'ont pas de problèmes avec les travestis mais aller dans les mêmes endroits privés, comme des toilettes, les rend mal à l'aise», dit-il. «Même si les jeunes travestis se comportent de façon encore plus féminine que les jeunes filles, leur anatomie reste celle d'un garçon».
Pour lui, ce concept des toilettes pour travestis répond à un besoin croissant dans les établissements scolaires et universités thaïlandaises.
Kampang n'est pas le premier établissement à installer de telles toilettes, même si son directeur pense qu'il s'agit d'une première dans le secondaire. En 2003,un institut technique de 1.500 étudiants de la province de Chiang Mai avait installé des petits coins du «Lotus rose» pour ses 15 élèves travestis.
Et le ministère de l'Education a récemment annoncé un recensement du nombre d'étudiants transgenres dans les universités du pays afin d'envisager des toilettes ou des dortoirs séparés.
Les «katoey» apparaissent régulièrement à la télévision dans les séries, et dans tout Bangkok, travaillent dans les grands magasins au rayon produits de beauté,dans les restaurants à la mode, dans des bureaux, mais aussi dans le milieu de la prostitution. La Thaïlande organise également des concours de beauté transgenre. AP

Tuesday, June 10, 2008


UK embassies fly the rainbow flag to mark Riga and Warsaw Pride days




Source: Official website of the UK embassy in Warsaw, Poland6 June 2008
British embassy to fly the rainbow flag
The British Embassy Warsaw flew the rainbow flag alongside the Union Jack this weekend in support of Warsaw Pride 2008. The Pride March, which marks the end of a week of Equality Days in Warsaw, passed the Embassy on the afternoon of Saturday 7 June.
HM Ambassador Ric Todd raised the flag over the British Embassy building on Aleje Ujazdowskie on 6 June. The rainbow flag, which is the international symbol of the LGBT community, will fly until 8am on Monday 9 June.
Ambassador Ric Todd said: “”The UK remains committed to promoting the rights of lesbian, gay, bisexual and transgender people overseas. This small gesture is a symbol of the British Embassy’s commitment to equality and acceptance for all. This weekend’s Pride March will be a celebration of diversity in Poland, Europe and beyond. I particularly hope participants travelling from the UK will enjoy the festivities.”
Last month the Foreign and Commonwealth Office confirmed its commitment to engage with foreign governments about the rights of gay, lesbian, bisexual and transgender people. It issued an ‘LGBT Toolkit’ to its 261 Embassies, High Commissions and other diplomatic posts.
The kit contains information on the official British policy on gay rights and instructions in how to “provide added value to equality and non-discrimination work.” It covers a wide range of issues, from decriminalisation, sexual health, reproductive rights and health education to bilateral work with other countries.
The document states that LGBT activists are often targets for persecution and that the FCO should ensure these people are “included among human rights defenders concerning whom the UK will lobby and will engage the support of other governments, especially EU members.”


————————
Source: Gaywired.com2 June 2008
British Embassy Salutes Riga Gay Pride by Flying the Rainbow Flag
A little piece of UK gay history was made when the British Ambassador to Latvia, Richard Moon, ordered the Rainbow Flag to be flown at the Embassy to mark Riga Pride and Friendship Days.
It is thought that this might be the first occasion that a Rainbow Flag has been flown from a British embassy anywhere in the world.
“The British Government totally supports LGBT rights in Europe and throughout the world,” Moon said as he raised the flag.
“And this support is 24/7, 365 days a year — and not just for Pride.”

There was a high turnout from embassy staff who joined Claire, a lesbian from Brighton, and Liga Klavina, a lesbian athlete who represented Latvia at the Sydney Olympics, for that typically British institution, afternoon tea.
Moon said that the high turnout by staff “underlined the sincerity and degree of support from Embassy staff, both British and Latvian”.
The flag will remain over the Riga Embassy before being taken to Warsaw at the weekend in the hope that it might fly from the British Embassy there for Warsaw Pride on Saturday.
Mozaika, the Riga Pride organizing committee, has received significant support from the British and other Embassies with Ambassadors from UK, Sweden, Denmark and the Netherlands attending a Pride Reception on Friday.
The idea to fly the flag follows a rumour heard during Riga Pride last year 2007 that a rainbow flag was flying over the British Embassy — a rumor which cannot be verified.
The rumor reached the ears of UK Green Party MEP Carolyn Lucas who wrote to Foreign Secretary David Miliband requesting that the Rainbow Flag should fly from the British Embassy of every capital city in Europe on the day of the capitals’ Prides, especially those in the Eastern European “accesion states” and those places where Prides are under pressure.
Riga Pride 2008 on Saturday was deemed a success, with the parade held in the historically significant 11 November Embankment, where in 1991, it was the focus of the ‘human chain’ made up of hundreds of thousands calling for freedom from the then Soviet Union.
As many Pride speeches reminded those on 11 November Embankment, this human chain included lesbians, gay, bisexual and transgender people who are still waiting for the freedoms that other people now take for granted.

Saturday, June 7, 2008

Fórum SEM MEDOS




CONVITE

O Bloco de Esquerda tem o prazer de o/a convidar a estar presente no Fórum SEM MEDOS, que se realizará em Lisboa no dia 14 de Junho de 2008, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova.
O Fórum SEM MEDOS é o culminar das Jornadas contra a homofobia que percorrem o país desde o início de Maio. O Fórum, de entrada livre, realiza-se em Lisboa e é um encontro internacional para discutir a diversidade sexual, os direitos humanos de gays, lésbicas, bissexuais e transgéneros e a democracia.
Com debates temáticos sobre educação sexual, discriminação e combate social, direitos familiares e sobre transexualidade, o Fórum juntará investigadores e activistas de diversas opiniões, proveniências e lutas.

O programa detalhado do Fórum segue abaixo.



Fórum SEM MEDOS

10h Abertura

Bruno Maia (Bloco de Esquerda), Deborah Lambillote (ILGA Europa), Louis-George Tin (promotor internacional do Dia contra Homofobia)


11h30 – 13h00 Mesas redondas em simultâneo:

"Direitos familiares"
Miguel Vale de Almeida (antropólogo), João Mouta (associação Pais para Sempre), Fabíola Cardoso (activista Clube Safo)

"Educação Sexual"
Gabriela Moita (psicóloga), Rita Paulos (activista da rede ex aequo)

15h – 16h30 Mesas redondas em simultâneo:

"Transexualidade e Trangenderismo"
Jó Bernardo (activista trans)

"Discriminação e combate social"
Sérgio Vitorino (activista LGBT), Ana Cristina Santos (investigadora), António Fernando Cascais (investigador, FCSH)


17h30 Encerramento

Casten Schatz (grupo Queer do PEE), Solange F. (apresentadora TV), José Soeiro (deputado Bloco) e Francisco Louçã (dirigente Bloco)


Mais informações sobre as Jornadas podem ser encontradas em
www.esquerda.net
www.bloco.org
http://www.bloco.org/index.php?option=com_content&task=blogsection&id=10&Itemid=31

Monday, May 12, 2008

EXPOSITION TOM DE PEKIN



EXPOSITION TOM DE PEKIN
EDUCATION POPULAIRE
au PARTI COMMUNISTE FRANCAIS2 place du Colonel Fabien 75019 Paris
ce vendredi 16 mai/vernissage espace Niemeyer/ 19h30/21h30
ce samedi 17 mai/18h/conférence/projection vidéos Tom de Pekinpar Vincent Simon

EXPOSITION du 16 mai au 27 juindu lundi au vendredi 9h/18h
et en bonus un petit Laurel et Hardy
http://fr.youtube.com/watch?v=v5-Ust1LmXY

COMMUNIQUE DE PRESSE

« LGBT en Europe, entre exclusion et émancipation » : Colloque du PCF et du PGE
Samedi 17 mai prochain se déroulera partout dans le monde la 4ème journéeinternationale contre l'homophobie (Idaho). A cette occasion, le Parti de laGauche Européenne (PGE) et le Parti communiste français (PCF) organisent unerencontre internationale ayant pour thème la lutte contre les discriminations etles exclusions basées sur l'orientations sexuelle et l'identité de genre enEurope.
Ce colloque aura lieu à Paris, au siège du PCF, en présence de militant-es etd'élu-es de dix partis européens adhérents du PGE, de chercheurs, dejournalistes, de juristes et de représentants du monde associatif LGBT. Ouvertau public, il comportera trois tables rondes traitant de la visibilité, desdiscriminations au travail, de l'harmonisation européenne des droits, et seterminera par une plénière.
La veille, un autre temps fort se tiendra dans le grand hall de l'espaceNiemeyer avec le vernissage de l'exposition « Education populaire », quiregroupe plusieurs oeuvres de Tom de Pékin, artiste graphique français. Serevendiquant de la contre-culture « Queer » (traduction française : « déviant»), Tom de Pékin interroge les conditionnements moraux et malmène les normeshétérosexistes, pousse plus loin les limites de la liberté artistique et de lareprésentation des sexualités, provoque les spectateurs, mais toujours avechumour et beaucoup de talent. Inaugurée vendredi 16 mai à 20h, cette expositionsera visible jusqu'à la fin juin.
Contact :Camille Barré, porte-parole de « Fier-e-s et révolutionnaires », le collectif delutte contre les discriminations LGBT du PCF (06.87.45.79.80)Benjamin Salesse, coordinateur PGE du colloque (06.30.08.89.10)Richard Sanchez, membre du Comité Exécutif National du PCF, chargé de la luttecontre les discriminations (06.16.28.32.76)
Parti communiste français

Monday, May 5, 2008

La realidad transexual




En España se calcula que hay unos 2.600 transexuales
3/4/2008


Aunque la nueva ley aborda las especificidades del colectivo transexual, los profesionales sanitarios exigen que la transexualidad no sea contemplada como una enfermedad mental. Para tratar adecuadamente este fenómeno, se considera necesaria la creación de equipos multidisciplinares, con psicólogos, endocrinólogos y cirujanos. En muchos casos, las dificultades que encuentran los transexuales para ser tratados por el sistema sanitario público les llevan a recurrir al autotratamiento hormonal.La sexóloga Miren Larrazábal, presidenta del Comité Científico del Congreso Español de Sexología, asegura: "La transexualidad no es necesariamente una enfermedad y, menos aún, una enfermedad mental"La aclaración es importante porque, como denuncia la sexóloga, "en estos momentos, y a pesar del avance que ha supuesto la Ley Reguladora de la Rectificación Registral de la Mención Relativa al Sexo de la Personas, sigue siendo imprescindible el diagnóstico de disforia de sexo para que se acepte un cambio de sexo en nuestro país".Transexualidad y disforiaAunque frecuentemente se confunden, la transexualidad y la disforia de sexo aluden a dos realidades distintas. El término transexualidad indica una tendencia a no asumir el género asignado en el nacimiento, mientras que la disforia de género indicaría que dicha valoración genera en el sujeto alteraciones emocionales. "No todo transexual padece disforia; sin embargo, la Ley señala que si el transexual no presenta disforia no puede modificar su adscripción de género ni puede ser atendido para modificar su deseos de cambio de género", denuncia Miguel Ángel Cueto, sexólogo del Centro Psicológico de Terapia de Conducta de León y presidente organizador del Congreso Español de Sexología. Sin duda, añade, "se está favoreciendo una patologización de dichas personas que, en vez de ser derivadas a psicólogos, se orientan a psiquiatras directamente, con lo que se presupone una valoración patológica de antemano". 500 personas candidatas a cirugíaLa transexualidad consiste en una disociación entre el sexo genético, gonadal y fenotípico, y el sexo psicológico o identidad de género. Son personas que no se identifican con el género que socialmente se corresponde con su sexo biológico de nacimiento. Por extrapolación de estudios de otros países, se calcula que habría unas 2.600 personas transexuales en España (1.800 de hombre a mujer, y 800 de mujer a hombre); de éstos, tras un adecuado proceso diagnóstico, serían candidatas a cirugía unas 500 personas.Un desafío a la división de génerosLa transexualidad supone un desafío a la rígida división de géneros establecida en nuestra sociedad. También cuestiona la idea de la supuesta naturalidad de los géneros, que presupone que nacer macho implica de manera natural sentirse hombre y nacer hembra sentirse mujer. "Nuestra tarea como profesionales es acompañar en este proceso: clarificando si hay confusión (no todas las crisis de identidad de género implican una transexualidad) y ayudando psicológicamente a que se expresen socialmente tal como sienten el género psicológicamente", afirma la psicóloga Miren Larrazábal.Tal y como denuncia, "estamos ante una problemática novedosa que implica estudio y reflexión por parte de la comunidad científica, que necesita despojarse de esquemas mentales y estereotipos sexuales y sociales cerrados".La respuesta del sistema sanitarioEl deseo de vivir y ser aceptado como un miembro del género opuesto al sexo biológico no es un trastorno mental aunque puede crear, por desconocimiento, incomprensión social o falta de asunción de su rol, cierta disforia que podría necesitar asesoramiento o apoyo terapéutico. En este sentido, los especialistas resaltan la importancia de hacer un buen diagnóstico del trastorno, ya que un diagnóstico no certero es un factor predictivo de arrepentimiento post-tratamiento de reasignación de sexo y de la evolución.La falta de atención de este trastorno dentro del sistema sanitario público está condicionando a la ausencia de datos epidemiológicos, la escasez de publicaciones, la identificación de factores de pronóstico, los estudios sobre calidad de vida, los estudios sobre comorbilidad psiquiátrica asociada y la evolución del trastorno. Según expone Miguel Ángel Cueto, "las dificultades que encuentran para ser tratados por el sistema sanitario público les llevan a recurrir al autotratamiento hormonal, lo que se puede traducir en graves efectos para su salud, en la aparición de desórdenes psicológicos diversos e, incluso, en el incremento del riesgo de autolesiones en los genitales o en intentos de suicidio". Abordaje multidisciplinarLos tratamientos intentados desde diferentes especialidades se muestran ineficaces para reconciliar al paciente transexual con el sexo biológico al que pertenece. En cambio, sí está contrastada la eficacia de ajustar el cuerpo a la mente mediante el tratamiento multidisciplinar: psicológico, endocrinológico y quirúrgico. Por eso, los psicólogos consideran esencial su participación en el proceso de abordaje de los problemas que plantean los transexuales. "Tienen el derecho de ser atendidos mediante protocolos consensuados por la comunidad científica, siendo valorados por psicólogos y no por psiquiatras", sentencia Miguel Ángel Cueto.Más allá de la Ley En las principales clasificaciones diagnósticas internacionales de enfermedades, se incluye a la transexualidad como un trastorno o enfermedad. No obstante, indica Miren Larrazábal, "pensábamos que se debería analizar seriamente la eliminación de la situación de transexualidad de las clasificaciones internacionales de trastornos y enfermedades (como ya se hizo con la homosexualidad) ya que, aunque no se pretenda, sí que produce cierta estigmatización que atenta contra estas personas, dificultando así su integración social y, por tanto, su bienestar personal".De hecho, un aspecto común de las personas transexuales es su negativa a ser considerados enfermos. Los transexuales sitúan su problema sobre todo en la representación corporal; "si recurren al sistema sanitario no lo hacen porque se sientan enfermos, sino para que se les restituya su verdadera identidad de género en un cuerpo al que no consideran como suyo", apunta Miguel Ángel Cueto.Con la aprobación de la Ley Reguladora de la Rectificación Registral de la Mención Relativa al Sexo de la Personas se reconoce el derecho de las personas transexuales a cambiar su sexo, para que éste se corresponda con la identidad de género que reclaman como propia. Pero, como subraya Mirel Larrazábal, "aunque la Ley supone un paso adelante, plantea controversias al seguir incidiendo en que la transexualidad es un trastorno mental y al incluir en su diagnóstico (como un requisito de obligado cumplimiento) la disforia de género". En estos momentos, numerosos colectivos de transexuales y profesionales de la salud mental (sexólogos, psicólogos, médicos), así como todas las sociedades científicas de Sexología, se oponen a considerar la transexualidad una enfermedad, un trastorno mental.

Redacción Informativos MedicinaTV.com